• (+244) 921 169 450
  • geral@loja.lello.co.ao

CATEGORIAS

Procura-se nesta secção apresentar factos históricos em Angola e no Mundo em matérias essencialmente ligadas à Cultura, Educação, Gestão e Livros.

Breve História da Lello & Cia Lda

Em 1921, três jovens portugueses Arnaldo, Costa e Lelo, decidiram criar uma empresa que tomou o nome de Arnaldo, Costa & Lelo, Lda com sede no Porto - Portugal.

Carregados de sonhos, Portugal cedo se tornou complexo para eles pois a incerteza e as perseguições políticas reinavam e o dia a dia de muitos jovens era de uma frustração permanente. 

Entenderam que a Colónia de Angola lhes podia dar a liberdade de expressão que achavam ter direito assim como a oportunidade de prosperar.

Familiar e amigos de uma das livrarias de referêcia de Portugal, a Lello, (hoje considerada quase um Monumento Nacional Português), alteram em 1923, o nome da empresa para Lello & Companhia, Lda.

O gerente efectivo da Empresa em Angola foi nomeado Raul Pinto de Mesquita Lello. 

Cumprindo o plano, a Lello & Companhia, Lda torna-se depositária de livros LELLO de Portugal.

Raul Lello, chegado a Angola, quase sem dinheiro e sem instalações, guarda os livros que trouxe e foi importando, numa moradia situada no Largo da Mutamba junto ao balneário que até cerca de 2016 existia em frente ao antigo Castro Freire, Lda.

Com o melhorar da situação abre uma pequena livraria, no edifício Biker, edifício este que, então, era referência obrigatória da cidade de Loanda e praticamente o Centro da cidade na Época! 

O edifí­cio Biker possuía uma arquitectura de arcadas grossas, tí­picas do Século XVIII/XIX e que ainda hoje se pode observar nas instalações de esquina do edifí­cio, onde se situa a empresa Foto Ngunfo.

Em meados da década de 1940, princípios da década de 1950, o edifí­cio Biker é remodelado e fica com o aspecto que hoje tem.

Rapidamente a Lello & Companhia, Lda. tornou-se uma referência da então colónia de Angola.

Em 1936 o primeiro reclame Lello foi alvo de publicação na revista Actividade Económica de Angola cujo director artístico era Vasco Vieira da Costa, fundador da Faculdade de Arquitectura de Angola.

No ano de 1940 começa a construção do edifico Lello conhecido por Palácio da Pena, devido ao apelido da sua proprietária, Sra. Pena Buturão, e para a qual se muda a Livraria Lello que aumeta o leque de produtos e passa a vender também material escolar e a representar marcas como Pelikan e Kern. Foto do edifício antes de depois

A Loja do Edifício Biker, hoje Av. Rainha Ginga 15, fica a funcionar apenas o pequeno braço da empresa que tinha como função vender Lotarias e alguns outros pequenos serviços,  passando esta loja a ter o nome de Casa Feliz.

Cliente Lello a sair da Casa Feliz 

Apostando forte na então nascente vulgarização do processo educativo de Angola, tornou-se fornecedora de excelência a toda a camada intelectual da Colónia. 

Claro que, Portugal na época era um paí­s de regime ditatorial e este sucesso também trouxe olhares amargos; A Lello & Cia, Lda. e os seus proprietários ficaram debaixo de olho das organizações de Segurança Portuguesas e cedo começaram alguns dissabores.

Policias secretos portugueses a vigiarem a Lello 

Nos meados dos anos 60 a Lello decidiu mudar a sua forma de actuar e como tal, criou uma nova empresa, Lello, SARL, a qual assumiu toda a Área comercial da Organização e reduziu a actividade da Lello & Cia, Lda para a pequena unidade de negócios designada de Casa Feliz.

O edifício Palácio da Pena foi posteriormente ampliado para o lado da esquadra da Polícia e nesse espaço abrem as áreas de Papelaria, Venda de Discos e de Produtos Olivetti.

Inicialmente a linha Olivetti da Lello apenas contemplava a gama de Máquinas de Escrever e Calculadoras onde concorria com os líderes do mercado, Messa e Olympia em Máquinas de escrever e Facit e Cannon em máquinas de calcular. ..

A capilaridade da Lello no País, caracterizou-se pela presença com lojas nas cidades de Luanda (Luanda Marginal e Luanda-Casa Feliz), Benguela (Lobito), Lubango e Huambo e ainda um conjunto de outras livrarias / tabacarias / papelarias que se abasteciam na Lello e que revendiam os seus produtos em praticamente todo o território nacional, sendo a marca Lello, uma referência nacional.

Com a independência o director da Livraria, Sr. Felisberto Lemos,  mantem-se no país, numa inversão ao abandono generalizado dos então chamados "colonos e seus caixotes"; Esta decisão não é estranha pois, Felisberto Lemos, estava muito ligado ao 1º Presidente da República de Angola, Dr. Agostinho Neto, desde a presença deste na cidade de Coimbra em Portugal.

O 25 de Abril de 1974 e posteriormente a independência de Angola em 1975, provocaram alguns problemas na operacionalidade de ambas as Lellos as quais, se mantêm fruto do esforço individual de uma massa de trabalhadores dedicados que conseguiram manter-se sem encerrar as portas e sem conflitos laborais, tí­picos da época.

O sistema económico adoptado por Angola após a independência, designado de Economia Socialista Planificada criou as chamadas empresas estatais (representando mais de 90% da economia), empresas mistas e manteve as empresas privadas que fizeram prova de existência e de permanência dos seus proprietários no país.

Todas as empresas que fizeram prova da presença em Angola dos seus proprietários, não foram nacionalizadas / confiscadas e passaram a fazer parte do todo económico do país, integrado no mesmo perfil do sistema de Economia planificada. 

A Lello & Companhia, Lda. e a Lello, SA, tendo feito prova da presença dos seus proprietários em Angola passaram a fazer parte desse todo.

Dentro deste novo sistema, e sobretudo a partir de 1980, a importação de quase todos os produtos passou a ser do pelouro de empresas públicas especí­ficas, no caso a Maquimport, UEE e a Lello passou a ser uma das suas distribuidoras onde a marca OLIVETTI passou a ter uma preponderância bastante grande; Já a nível de livraria houve bastantes mais problemas pois os livros a importar e produzidos no paí­s tinham limitações na variedade e tipo.

Esta preponderância tecnológica, cria novas oportunidades onde é de salientar o papel que a Lello teve na Área de equipamentos de escritório com a introdução da Máquina de Contabilidade BCS 30, única concorrente em Angola da então NCR32 e mais tarde da NCR299, sistemas percurssôres dos sistemas informáticos, hoje banais em todo o Mundo.

Felisberto Lemos, sendo português, foi entretanto expulso de Angola por um mal entendido que existiu por altura do 27 de Maio de 1977. Foi substituido por uma das proprietárias da empresa, Sra Leonor Lello, angolana que entretanto havia terminado a sua formação no exterior de Angola.

Policias secretos angolanos a vigiarem a Lello  

Com o evoluir da guerra, a idade dos seus proprietários e a dificuldade na contratação de pessoal qualificado, as várias filiais da Lello foram fechando, finalizando com a venda da Sede "Palácio da Pena" em 2015.

Aparece então Rui M. Santos, empresário angolano que criou a primeira empresa privada angolana após a independência, onde após negociações adquiriu as empresas Lello, SA e Lello & Cia Lda, algum do património assim como os direitos sobre a pequena loja Casa Feliz, sita no emblemático Edifício Biker. 

Com imagem renovada, esta nova Lello vai tentar re-erguer-se e refazer-se !  

Basicamente Rui Santos não quis aceitar que uma marca com mais de 90 anos deixasse de existir e que todo o seu pessoal fosse demitido.

Reuniu também com os trabalhadores com o objectivo de numa primeira fase manter a empresa aberta e numa segunda fase ver como a poderia fazer crescer.

Os trabalhadores aceitaram o desafio e uniram forças para tentar fazer renascer a marca e voltar a reposicioná-la no local de destaque de onde não devia ter saído. 

Na reunião com os trabalhadores foi apresentado o novo logo e as mascotes da empresa assim como a discussão de ideias e intenções futuras. 

 

 
Sr Raul Lello
Sra Leonor LelloªLelinhaª
Primeiro local da Lello
Primeira Loja Lello
Segunda Loja Lello1
Segunda Loja Lello 2
Segunda Loja Lello 3
Segunda Loja Lello 4
Edificio Biker 1ª Loja
Primeiro Logo Lello
Logo e anuncios Lello 1
Logo e anuncios Lello 2
Logo e anuncios Lello 3
Logo e anuncios Lello 4
Prova Permanencia Angola1
Prova Permanencia Angola2
Novo Logo
Mascote 1 Lelinha
Mascote 2 Lelinho
Mascote 3 Patrocinadores
Mascote 4 Trabalhadores
Lá no inicio em 1923
Guerra Civil
Lello Cultura & Intelecto
Lello Cliente Feliz
Lello 1923
BCS30vsNCR32
Pide e DGS e até outras
Crónica de um amigo da Lello

Lello, uma livraria que já foi a mais importante da cidade de Luanda

Para Raúl Lello, a livraria era um sacerdócio. O proprietário de uma das lojas mais concorridas de Luanda acordava todos os dias ao nascer do sol , passava vistoria aos mais de trezentos pés de rosas do jardim, apanhava as flores secas e limpava a terra. No fim, matabichava. Às 7h30 saía de casa e chegava à livraria antes da abertura das portas, às 8h00. Até ao meio- dia, passava o tempo entre a loja, no rés-do-chão, e os escritórios, no primeiro piso. Havia sempre coisas para fazer. É certo que o pico do movimento coincidia com as semanas que antecediam o princípio do ano lectivo, com enormes filas à entrada, mas os funcionários nunca tinham descanso. Por indicação da gerência, atendiam de pé, fardados e exibiam um crachá com o nome. Elas usavam alternadamente vestidos azul-escuros ou claros, eles calças, camisa e gravata. Não se podiam encostar a um dos balcões de atendimento, logo aparecia Raúl a dar-lhes um toque para voltarem à posição correcta .

Na Lello, os clientes diziam o que queriam e os empregados tratavam de tudo. Procuravam livros e enciclopédias nas estantes de contraplacado, arrumados juntos às paredes, tiravam das vitrinas canetas e tinteiros, máquinas e rolos fotográficos ou qualquer outro artigo que lhes pedissem. O vasto catálogo da loja incluía postais, revistas vindas do exterior de Angola e com algum atraso, discos, lotarias, charutos, tabacaria fina, porta-moedas, produtos Olivetti e Âmbar, tintas Lorilleux e até linhas Coats&Clarks, que atraiam o público feminino a um estabelecimento mais pequeno, ali ao lado.

A meio da manhã, Raúl saía para comer um rissol de lagosta na companhia da filha Manuela e ao meio-dia ia almoçar a casa. À chegada, servia–se de um copo de whisky com gelo e um pires de camarão cozido. Saboreava o aperitivo, retirava- se para dormir a sesta; Só depois, já recomposto, aparecia para a refeição. Às 15h00 estava de regresso à Lello e terminava o dia às 19h00. Não ia logo para casa. Primeiro atravessava o largo, passava pelos candongueiros que trocavam angolares por escudos, junto à grande mulembeira e sentava-se na esplanada da Versailles para uma cerveja com o "grupo do caraças", de que também faziam parte os irmãos Boavida.

A Lello cresceu, abriu delegações em Nova Lisboa (actual Huambo), Benguela e Sá da Bandeira (actual Lubango, na Huíla) e Raúl tornou-se um homem rico, mas nem por isso deixou de viver da mesma forma simples . Manteve o sentido de humor e o hábito de fumar tabaco francês de enrolar, com uma boquilha. Nunca deixou as filhas levar da livraria o que queriam; Tinham de comprar os livros. Não guiava grandes carros nem esbanjava em luxos . De resto, gostava pouco de gastar dinheiro. Não exibia sinais exteriores que despertassem a inveja alheia e tratava toda a gente com deferência ...!! Todos eram iguais para a Lello.

Raúl Lello ficou em Luanda depois da independência, suportou os tempos de escassez e de guerra civil, mas nunca foi alvo de ataques. Esperou anos até regressar de vez a Portugal, com a garantia de que a livraria continuaria a funcionar. A liderança ficou entregue à filha Leonor e ao marido, que se mudaram para Luanda de propósito.

Raúl Lello morreu no Porto. A filha continuou em Luanda. Em Agosto de 2015, a Lello encerrou as portas. Um dos edifícios mais nobres da baixa luandense, foi adquirido por uma grande  sociedade, acreditando-se que irá fazer um investimento em algo que valerá a pena ! Ainda ninguém sabe exactamente o que vai ser construído nesse espaço mas acredita-se que irão aproveitar a “traça e a história” no que quer que venha a ser feito.

Lusitana, Minerva, ABC,  Mondego, a Popular de José Marques da Cunha, esta última durante muito tempo, o único alfarrabista em Angola, agora encerra a LELLO.

Não se pode falar da Lello sem mencionar as figuras que marcaram a Lello e os clientes. Raúl Lello, já acima referido. A figura incontornável de Felisberto Lemos, o "competente livreiro da esperança" ,que na época fazia chegar à comunidade Luandense (e não só…) as obras comunistas proibidas de que muitos “cérebros” da terra eram leitores.

Outra figura da Lello foi o poeta Ricardo Manuel, autor de vários livros de poesia e que nos anos 80 foi galardoado com um prémio literário na Coreia do Norte e foi receber o prémio a Pyongyang, ainda no tempo de Kim Il-sung "Grande Líder".

A Lello era um espaço onde figuras como Luandino Vieira, Pepetela, Manuel Alegre, Ernesto Melo Antunes , os irmãos Guerra Marques , Osvaldo Pinto, Galeano, Chaves, Antero de Abreu, Dionisio Rocha e tantos outros, por lá passavam para trocar livros e ideias sobre o futuro  de uma Angola livre do jugo colonial português. Ideias sobre a liberdade e a auto - determinação dos povos; Boas vivências para quem leu e quem esses tempos viveu!

Vivências e histórias não escritas e apenas ocasionalmente mencionadas em artigos, contos ou livros publicados pelos poucos “cérebros” que publicaram ou publicam algo onde algo evento ou facto passado na Lello seja necessário na narração.

Vivências e histórias não dissociadas de uma outra referência da cidade também fechada, a Biker, onde “a nata intelectual de escritores, professores, jornalistas e tantos outros” se juntava à não “tão nata intectual” e todos juntos “varriam” os finos da Cuca, que pedia bis ou da Nocal que apetecia brindadas pelo então gratuitos pratinhos de aperitivos … Os camarões, os tremoços, a ginguba e outros tantos “brindes” que acompanhavam as férteis conversas das actualidades da época. Uma Biker que que foi definhando e passou pelo “peixe frito com arroz + 4 finos” do tempo dos preços tabelados até hoje, Outubro de 2018, ser um espaço bem mal tratado chamado de “sopa dos pobres”. 

Vivências que a Nova Lello, Lello&Cia, Lda., vai tentar relembrar no seu programa “Lello - Então e Agora” e nas lojas que pretende “criar” em todo o País.

* O texto tem inspiração em elementos / conteúdos retirados do livro "Luanda como ela era" da jornalista portuguesa Rita Garcia.

O pai da Contabilidade como a conhecemos hoje

Luca Paccioli é considerado o Pai da Contabilidade como a conhecemos hoje tendo introduzido o conceito das partidas dobradas num livro que terá sido publicado em 1494.

Eis um link para quem quiser mais informação https://en.wikipedia.org/wiki/Luca_Pacioli

Capa do Livro1
Capa do Livro2
Lucazito
Máquinas e ferramentas usados em Contabilidade em Angola

Ao longo dos anos várias foram as máquinas e ferramentas utilizadas pelos profissionais.

Desde o tempo dos lançamentos manuais a 100% em livros até às actuais e modernas ferramentas informáticas.

Eis um registo fotográfico de algumas dessas máquinas e ferramentas classificadas pelo tipo de utilizadores.

Ferramentas dos "pobres"
Ferramentas dos "médios"
Ferramentas dos "ricos"
Ferramentas dos "actuais1
Ferramentas do "actuais2"
Ferramentas dos "actuais3
Onde se APRENDIA :-)
Planos de Contas
Plano de contas de 1981